Inode

Oie,

Em dois post mais atrás eu mencionei sobre o inode, mas ainda não havia explicado nada sobre o dito cujo, pois então vamos lá, hoje irei explicar um pouco sobre ele.

Sabe quando compramos algum disco rígido e vem na “embalagem” dizendo 80GB (vamos usar 80GB como exemplo) e quando vamos usá-lo não podemos aproveitar os 80GB que compramos. Será que fomos enganados? Será que eles arredondam quando vão vender para não mencionar valores “quebrados”? Na verdade o disco rígido veio realmente com os 80GB mas os GBytes que “sumiram” na verdade são reservados para outro uso o qual se nós ficássemos responsáveis pode ter certeza que daria problema (rsrs). Esse espaço “sumido”, por assim dizer é reservado a uma estrutura de dados especial chamada de INODE.

Você deve está se perguntando: Mas pra que serve essa estrutura de dados? A “serventia” dela é não somente útil como indispensável pois ela é responsável por guardar as informações básicas dos arquivos e diretórios que salvamos em disco como permissões de acesso, identificação do dono do arquivo, data e hora da última modificação e acesso, o tamanho do arquivo e também os ponteiros para o arquivo.

Quando vamos acessar um arquivo ou diretório antes de mais nada o kernel vai ao inode e verifica as informações do arquivo “solicitado”, caso você tenha permissão de acesso ao arquivo ou diretório o kernel vai ao arquivo ou diretório contudo se você não tiver permissão surge milagrosamente na tela: PERMISSION DENIED. (rsrsrs) Ele nem chega ao arquivo pois lá no inode há informações que dizem que você “intruso” não tem permissão e o kernel não vai até o arquivo consequentemente você não o lê ou acessa.

Há dois posts atrás eu falei sobre comandos básicos e lá no comando LS tinha uma opção sobre como ver o inode de um arquivo ou diretório. Mas vou colocar novamente aqui. =)

[krix@rogue]$ ls -i [ARQUIVO_OU_DIRETORIO]

Uma curiosidade é que os inodes possuem um limite, por isso, é possível “lotar” um HD, esgotando os inodes disponíveis, criando milhares de arquivos pequenos.

Deixar um comentário